sexta-feira, dezembro 28, 2007

Bhutto

Confesso que a morte de Benazir Bhutto não me surpreendeu, como não deve ter surpreendido quem quer que acompanhe, minimamente, a actualidade internacional.

No entanto, antes de endeusar a personagem, como tão bem fazemos nós, portugueses, após a morte de quem quer que seja, convém lembrar que foi duas vezes destituída do cargo por corrupção e acusações de nepotismo. A morte do irmão está envolta em mistério, havendo quem lhe atribua as responsabilidades pelo assassinato.

A morte da ex-primeira-ministra traz instabilidade a umas das zonas mais inflamáveis do globo. Ali ao lado do Afeganistão, que tem exportado talibãs para o país vizinho, o democrata amigo dos norte-americanos, Pervez Musharraf, tem agora em mãos um país em ebulição.

Embora o cenário de guerra civil pareça demasiado longe, devido ao enorme poder do exército paquistanês, o extremismo islâmico volta a ganhar pontos.

Post it 1: Em 2002, o Partido Comunista do Paquistão - CMKP - foi proibido de concorrer às eleições.

Post it 2: Sendo o Paquistão uma potência nuclear, resta saber, depois da instabilidade criada e das eleições, quem vai ficar com a (ir)responsabilidade de carregar no botão vermelho.

2 comentários:

CATI disse...

Sei que essa senhora não teve uma conduta correcta, disso sabemos bem. Não a vejo como uma mártir, nem de longe nem de perto. Mas sim como uma mulher de coragem, sobretudo. Quando voltou do Dubai para o Paquistão já sabia o que a esperava. Mas no Paquistão, sabemos, nada ou quase nada resulta. Só mesmo os homens-bomba.

rms disse...

Caríssima:

Concordo e subscrevo tudo o que disseste, mas:

Ela sabia que ia morrer, mais tarde ou mais cedo, assim que entrasse no Afeganistão. Gabo-lhe a coragem.

O facto é que passou a ser uma mártir e, por isso, o que importa questionar é se, nas mulheres, o efeito dos 70 rapazinhos virgens é o mesmo que as 70 rapariguinhas virgens tem nos homens.

Terá sido por isso que ela voltou?