sexta-feira, fevereiro 20, 2009

Faz sentido?

Por norma, faço zapping radiofónico quando ando de automóvel, principalmente nos dias úteis. Entre a TSF, a Antena 1 e o RCP, vou ouvindo o que mais me interessa. No RCP, deparo, muitas vezes, com profundas as análises económicas do Camilo Lourenço.

O jornalista protagoniza o programa "Money Box", que, ao que me parece, vai sendo reeditado ao logo do dia. Não raraz vezes, o jornalista/comentador/especialista em assuntos económicos, utiliza o espaço para promover as virtudes do trabalho em call-centers e o cada vez maior grau de qualificação que é exigido para lá trabalhar como uma prova de como é bom trabalhar num call-center.

Ora, o recrutamento para trabalhar nos call-centers é, na sua esmagadora maioria, feito através de empresas de trabalho temporário, que cobram uma comissão por cada trabalhador que colocam. Há dias, ao final da tarde, Camilo Lourenço entrevistava uma senhora que destacava a enorme oportunidade de futuro que é trabalhar num call-center.

Essa senhora é uma responsável pela Select, que é, julgo, a maior empresa de trabalho temporário em Portugal.

Por uma coincidência tremenda, o programa de Camilo Lourenço é patrocinado por esta mesma empresa. Como se diferencia, neste caso, a publicidade do jornalismo?

2 comentários:

filipe guerra disse...

Bom apontamento.
O Camilo Lourenço foi o único economista\comentador\apresentador que até hoje vi capaz de negar o drama do Vale do Ave. Adiantava ele que o Vale do Ave era uma espécie de Sillicon Valley(acho que é assim que se escreve)...

rms disse...

Há coisas que não percebo. Há pessoas que não percebo. O Camilo Lourenço junta as duas características.