quarta-feira, junho 06, 2007

Convencionados

A convenção do Bloco de Esquerda, que decorreu no passado fim-de-semana, foi (mais) um verdadeiro exercício mediático do padre Louçã e dos seus acólitos.

O carácter social-democrata de supostos revolucionários veio ao de cima, com as críticas à Greve Geral de 30 de Maio. Alinharam ao lado da direita e do Governo, procurando colar a decisão da CGTP às alegadas pressões do PCP. Para o BE não importa, por isso, que quase 1,5 milhões de portugueses tenham estado em greve, sem contar com muitos outros gostariam de a ter feito, mas não puderam, por pressões do patronato ou por motivos pessoais. O BE negou tudo isto e apontou baterias ao PCP.

Há cerca de 100 anos, estes senhores tinham um nome, eram mencheviques, e o seu grande objectivo era combater a Esquerda Revolucionária, deixando caminho livre para a propaganda burguesa. Sem o perceber (será que não percebe mesmo?), o Bloco vai dando argumentos ao Governo e aos detentores do poder económico para que questionem o movimento sindical.

Hoje, como há 100 anos, a burguesia chique-revolucionária ataca a esquerda e eleje-a como principal alvo. Exemplo mais claro é a festa para assinalar a reentrada no ano político. Uma iniciativa que, se não é para procurar rivalizar com a Festa do Avante!, para pouco mais servirá.

A Luta continua. A Festa, também.

1 comentário:

João Aguiar disse...

Eu diria mesmo que o BE, em certos aspectos, nem chega a ser reformista mas social-liberal. Ou seja, em muitos dos casos o BE nem sequer defende as velhas teses da superação do capitalismo por intermédio de reformas dentro do sistema. Hoje, o BE nem sequer a esse nível está. A sua acção, por um lado, é procurar minorar os efeitos perversos do capital e, por outro lado, entravar a luta dos trabalhadores.

Abraço