quinta-feira, outubro 02, 2008

Quando as flores murcham

Detesto insectos. Pronto. A partir daqui, é só um desabafo.

Não sei se as abelhas são formalmente consideradas insectos. Desconheço, não é área que me atraia. Apesar de a minha reserva pessoal se colocar, essencialmente, em torno dos rastejantes, a verdade é que os insectos voadores também me deixam desconfortável.

Ainda assim, apesar da repugnância que me causam, tenho alguma admiração pelas abelhas. Nomeadamente, na sua organização - chamemos-lhe assim - mesmo não sendo monárquico.

A capacidade de um insecto produzir algo como o mel deixa-me perplexo. Ainda mais a forma como procuram garantir a sua subsistência e a continuação da espécie. Retiram o néctar das plantas e espalham o pólen pelas restantes flores do jardim, para assim garantirem o seu modo de subsistência.

O programa Paulson é uma espécie de colmeia do capital.

Pega-se em 700.000.000.000.000 (?) de partículas de pólen e distribuem-se pelas abelhas, que entretanto acreditaram numa multiplicação miraculosa do número de flores e deixaram de o espalhar, colocando em causa o jardim. Pior ainda: a rainha, que deveria controlar toda a actividade da colmeia, caiu no mesmo erro e, enquanto houve flores, deixou o mercado do pólen funcionar.

Devemos aqui notar que as 700.000.000.000.000 (?) partículas de pólen injectadas pela rainha da colmeia foram sendo acumuladas, ao longo dos anos, através do contributo fornecido pelas flores, tendo em conta o bem-estar mínimo do jardim.

Assim, para agradar à colmeia, que durante décadas se sentou à sombra do pólen acumulado pela rainha e foi consumindo o néctar, esta distribui o pólen pelas abelhas para que, meio à pressa, façam chegar uns salpicos às flores e as levem a acreditar que vão voltar desabrochar e contribuir para o bem-estar do jardim. Desta vez, contribuir ainda mais, para que as 700.000.000.000.000 (?) partículas de pólen sejam repostas na colmeia, para além das que têm de cobrir as necessidades correntes.

A menos que as flores do jardim quebrem o ciclo.

2 comentários:

Hertz disse...

wall street tá cheia destas histórias

rms disse...

Pois está. A questão é se continuará e até quando...