terça-feira, outubro 21, 2008

Já não há Mandelas?

Hoje, estamos mais desiguais. Mais pobres mais pobres e ricos mais ricos. Os pobres de hoje são hoje menos pobres que os pobres de há 30 anos. Talvez. Mas quem e como o quantifica? Hoje, como podemos colocar em causa o que se passa no Mundo, se, ao longo das últimas décadas fomos ensinados a não pensar para além do pensamento único? Na ausência da necessidade de pensar se vivíamos o fim da história? Do fim das ideologias como forma de compromisso implícito um com os outros, em relação ao que cada um defende? Parece que, afinal, não o é. O Mundo está mais desigual. Se hoje os pobres são menos pobres, as necessidades básicas humanas são cada vez mais. E as básicas das mais básicas são-no há séculos. Hoje, se os pobres são menos pobres, um pão continua a ser um pão e uma mão cheia de arroz mata a mesma fome que matava num Mundo que há décadas vamos deixando morrer.
E o desespero das grandes crises arrasta consigo as respostas fáceis. Porque a necessidade é maior do que a moral e sentimos as mãos invisíveis vasculharem cada vez mais fundo nos nossos bolsos quase vazios.
De vez em quando, aparecem umas causas que nos unem. Fora do Natal, em que estamos todos unidos no amor às grandes superfícies comerciais e compramos postais à Unicef. Timor, África do Sul, Iraque, Afeganistão.
Darfur, Etiópia, Congo, Eritreia, Saara Ocidental e Curdistão conhecemos ao de leve. Como muitos outros. Nem interessa falar mais. Onde ficam?
Dessas causas nascem símbolos. Mandela. Independentemente da avaliação que hoje façamos deles e da desilusão que possam ter sido. Nascem símbolos para muitos milhares de outros Mandelas noutros países e com menos eco. Deram esperança e resistiram. Acreditaram no que agora parece ridículo acreditar: Justiça e Igualdade.

Se hoje não há Mandelas, há o legado que deixaram enquanto lutadores e resistentes.

1 comentário:

salvoconduto disse...

Se preservarmos o se legado já estaremos a fazer alguma coisa.