terça-feira, outubro 31, 2006

À espera que a Zita Se abra

A agora deputada do PSD esteve ontem no programa "Prós e Prós", da RTP. Confesso que não vi. Não tenho grande paciência para a Zita Seabra. Vi umas imagens de 1982, acho eu, com a deputada a defender o direito ao aborto, então na bancada do PCP.

Hoje, aparece do outro lado da barricada, como defensora incondicional dos que são contra a IVG.
Vi e ouvi a sua intervenção na Assembleia da República, quando o PS propôs um referendo que Sampaio chumbou. Tem fraca argumentação e não parece segura no que diz. Dá ideia de ser apenas um porta-voz de uma ala social-democrata que não quer dar a cara. E o papel fica-lhe mal. Parece que esconde alguma coisa, ou que não diz o que pensa e tem um enorme trabalho para pensar no que diz.

É pena. Fico à espera que a Zita Se abra...

1 comentário:

Ruanita disse...

Numa interpretação psicanalítica da coisa, diria que, a deputada é, claramente, a favor da despenalização do aborto mas este sentimento encontra-se recalcado por causa de um acontecimento traumático na sua vida (sem ser o de ter nascido!). Esta foi fruto de uma gravidez não desejada e a sua mãe tomou comprimidos na tentaiva de abortar e chegou mesmo a atirar-se das escadas abaixo, sem sucesso. A Zitinha só tomou conhecimento deste facto à relativamente pouco tempo o que a fez mudar de opinião sobre a interrupção voluntária da gravidez. Ou, tentando outra via de explicação para esta mudança de opinião (sempre com uma base dinâmico-Freudiana, podemos pensar que a Zituxa, quando ainda era deputada do PCP fez um aborto clandestino que se veio a descobrir lá para os lados do PSD. Esses tais tipos que não querem dar a cara e que são contra a IVG (isto também tem uma explicação psicanalitica!)ameaçaram-na: "Zitaruxita, querida fofa, apartir de agora vais dizer à comunicação social e na assembleia da républica que agora és contra o aborto, esse crime de matar criancinhas inocentes, kórror! Assim, aproveitas a oportunidade e redimes-te do teu pecado, fofissima! Senão teremos de te denunciar e depois como vai ser a tua vida, queriduxa? Vá lá, amor!". A cara de "não-estou-muito-convencida-do-que-estou-para-aqui-a-dizer" demonstra bem os seus sentimentos inconscientes relativamente a este assunto.