terça-feira, novembro 04, 2008

Can he?

A Europa está suspensa à espera de saber o resultado das eleições nos EUA. Poucas vezes falei aqui sobre estas eleições e não altero uma linha ao que disse aqui em Fevereiro deste ano sobre o candidato Obama.

À hora a que escrevo este post, mantenho a convicção de que Obama não ganhará. Mesmo levando já a impressionante vantagem de 32 votos contra 16 - são os resultados conhecidos até agora.

Não partilho a euforia em torno de Obama e da mudança que poderá vir a significar. Pelo simples facto de que não o vejo como exterior ao sistema - olá Dias da Cunha -, mas antes como parte integrante do sistema e que fará exactamente o mesmo que os outros para manter tudo como está. Não tem interesse em combatê-lo. E que melhor forma de manter tudo como está do que prometer a mudança através da imagem? Neste momento, para mim, Obama é isso mesmo: Imagem.

Os europeus - e nós também, já agora - acreditam que Obama seria uma espécie de europeu no poder nos EUA. Obama é americano e continuará a sê-lo. E nós - e a Europa também - temos de perceber que a prioridade dele são os EUA, e, como a história nos prova, o bem para os EUA está longe de significar o bem para o resto do Mundo.

Caso vença - coisa em que, muito sinceramente, não acredito - será por uma margem bem menor do que aquela que as sondagens europeias divulgam, com vantagens absurdamente colossais, e isso também terá peso numa eventual postura presidencial que tenha de assumir.

E um dos sinais que me leva a crer que as eleições não serão favas contadas foi o anúncio de meia-hora nas tv's americanas, que custou milhões de dólares a um candidato que promete ajudar aos mais desfavorecidos e a classe média. A equipa que suporta Obama tinha que saber alguma coisa que a opinião pública não soubesse para fazer um investimento desta envergadura, apesar de ter ventagem em todas as sondagens.

Como em Fevereiro, espero muito sinceramente estar enganado.

3 comentários:

miguel disse...

Finalmente alguém que ainda não se Obamizou... Lamentou a guerra no Iraque, lamentou as mortes dos soldados americanos, mas nunca pediu desculpa aos iraquinos, etc, etc, etc. Afinal, é mais importante ser eleito do que ter consciência. Excelente análise, mon ami!
PS: ainda assim, também espero que estejas errado. Se não, ainda vamos levar com uma Fátima Felgueiras, em versão "boas coxas", a mandar no mundo...

susana disse...

mal por mal (afinal estamos afalar de políticos) que seja Obama

rms disse...

Sosseguemos que as flores começaram a desabrochar. E a Palin também, Miguel lol